#pranchas #equipamentos #comportamento 
Austrália

Compreendendo a Alaia e a Revolução Sem Quilhas

Tom Wegener - theInertia

O ressurgimento do surf sem quilhas começou em Noosa quando Jacob Stuth surfou numa Alaia, na tarde de 5 de Março de 2005.

Ele surfou em um "ombro" de uma onda mais rápido do que qualquer um poderia ter imaginado em uma réplica de uma antiga Alaia havaiana. Desde então, a Alaia reuniu uma legião de fãs ao redor do mundo. O zumbido que você ouve quando começa de andar numa onda aberta é emocionante, e muitos surfistas experientes disseram que ela traz de volta a vibração do surf.

A desvantagem do estilo Alaia com a madeira tradicional havaiana é como é difícil remar e entrar em ondas. Competindo por ondas com outros surfistas pode ser desanimador em uma Alaia, e muitos shapers estão trabalhando atualmente para captar a sensação da Alaia de madeira com uma prancha de espuma mais fácil de se remar.

Após dois anos de Alaia e sessões de expressão sem quilhas, os organizadores do Festival Noosa acreditam que é hora de trazer a Alaia de volta às competições. Para alguns, o salto de um surf purista para um surf de espuma e competição é um salto muito grande. A inclusão da prancha sem quilha no surf competitivo irá fornecer um novo desafio para o atleta, assim como a apreciação renovada do espectador, particularmente em ondas pequenas.

O surf moderno, que é baseado em torno do arranjo de triquilhas, evoluiu a um ponto onde são esperadas ondas perfeitas. Por outro lado, as pranchas sem quilhas são ótimas em marolas. Elas são extremamente manobráveis, rápidas, novas e excitantes. Nos últimos dois anos, a divisão Alaia na competição de Buffalo em Makaha tem sido a mais disputada.

Em pensar que precisamos começar um novo diálogo em torno deste gênero de surf sem quilhas, expus algumas diretrizes muito básicas para os surfistas e juízes considerarem, que são baseados em torno das vantagens exclusivas do surf sem quilhas.

Manobras básicas

O Drop: Há variadas maneiras de dropar. Você pode dropar em linha reta, para os lados de slides, para trás, em um desvio de 360. Eles podem ser truques, bem como formas funcionais para ficar em uma posição na onda em que se possa ganhar velocidade ou configurar para a próxima manobra. O drop é uma manobra para ser explorada e dominada.

O Cut-Back: Possivelmente a manobra mais fenomenal no surfe sem quilhas é o cut-back na velocidade, bem fora do ombro da onda. A prancha sem quilhas pode manter a velocidade em um ombro macio, dando moeda extra para cortar a onda com força, que desloca uma quantidade incrível de água.

A Retomada: Após o cut-back, a prancha sem quilhas vai voltar para a espuma com velocidade e aceleração. Há muitas possibilidades de manobras incríveis quando você retoma para o lip ou para a espuma, incluindo 360, aéreos, deslizando para dentro e para fora do tubo. Esta área precisa ser explorada e nomes serem dados aos movimentos.

O Tubo: As possibilidades de andar em tubos são emocionantes. Os convertidos a Alaia estão constantemente empurrando os limites para a hora do tubo. A prancha sem quilhas tem incrível velocidade descendo a linha, possuindo a capacidade de acelerar em um tubo profundo, bem como estolar e derrapar no tubo. O grande tubo de Rasta durante a expression session no ano passado no Noosa Festival foi possível porque ele estava mantendo controle lateral escorregando para baixo na face da onda, enquanto estava no tubo. Uma bela manobra é entrar num tubo fechado, e em seguida, sair pela lateral na espuma.

O Giro 360: À primeira vista, eles parecem um truque para ganhar pontos. Mas pode haver uma função real na rotação 360. Esta manobra pode agir como uma bobina para sair de um local não surfável. A derrapada da rabeta faz com que a prancha se flexione na onda, e a energia armazenada dá um pouco de velocidade extra no final. A energia da onda passa em movimentos circulares e parece que a rotação 360 é uma extensão natural dela.

A Lala ou Deslizamento Lateral: "Lala" é a palavra havaiana antiga para o surf Alaia. É definido como a derrapagem controlada na face da onda. A raiz do surfe de Alaia é pegar a onda com a borda, deixando-se derivar, e, em seguida, ganhar o controle de novo com a borda. Embora essa manobra possar ser difícil de se ver para o espectador, ela exibe o controle do surfista e finesse.

Compartilhando Ondas: Dois surfistas podem compartilhar uma onda em harmonia. As pranchas são tão versáteis na face da onda que o compartilhamento de uma onda é uma maneira fácil de se mostrar uma nova complexidade. Nas primeiras fotos de surf, os surfistas estavam muitas vezes partilhando as ondas e ainda se divertindo.

Talvez o surf sem quilhas possa tornar-se conhecido como "estilo Alaia". O surfe Alaia é antigo, e nós o estamos descobrindo novamente. Apesar de estarmos nos afastando das puras raízes havaianas, o uso do nome irá sempre dar aos havaianos o respeito e o crédito devido para este modelo avançado de surf. Outra cultura antiga, a Basca, têm uma linguagem única que sobreviveu por milhares de anos. Eles têm uma palavra para a felicidade: "Alaia".

Coincidência? Duvido.

Comentários

Galerias | Mais Galerias