#notícias #ondas extremas #jogos olímpicos #wsl #surf #competições #profissional #eventos #surfguru 
Brasil

EXISTIA OLIMPÍADAS ANTES DO SURF ENTRAR NOS JOGOS?

Conrado Reis

A estreia do esporte nos jogos olímpicos foi marcada por muita emoção, condições difíceis, polêmicas e a certeza de que a modalidade foi um sucesso!

Se existiu, eu não quero lembrar desse tempo…

Depois de muita expectativa, 1 ano de adiamento por conta da pandemia e muito debate sobre as condições das ondas na praia que sediou o evento, tivemos a estreia do surf nos jogos olímpicos! Como amantes do esporte, não podemos dizer que foi um momento qualquer: ver a galera brasileira na tela da maior emissora do país foi uma situação bem diferente. Inclusive, tivemos que nos adaptar a uma forma diferente de transmissão, com atletas ainda em atividade na posição de comentaristas, narradores diferentes e uma forma de falar bem didática para o público mais leigo. Mas não é sobre isso que falaremos no texto. O foco aqui será um pouco da percepção que tivemos sobre a realização do primeiro evento olímpico de surf e claro, sobre o nosso campeão olímpico, Ítalo Ferreira.

Vamos começar do início

Sobre a organização e formato de disputa, não há muitas críticas e até pode ser algo de modelo para a WSL, que segue buscando um tour com menos atletas para fazer as disputas dos eventos terem uma duração menor. Com 20 homens e 20 mulheres em um total de 14 baterias, basta um dia cheio de competições para termos as oitavas de final definidas, diferente do formato da liga mundial, onde apenas o 1º e 3º round masculino já ocupam quase dois dias de competição.

Além disso, a organização acabou acertando na escolha da praia, que mesmo em condições difíceis, recebeu ondas de tamanho e risco para nós podermos avaliar os atletas em um palco digno de olimpíadas. Outra bola dentro foi a chamada antecipada da final, pois além de manter o fogo das quartas de final aceso durante o dia, assegurou que as finais fossem disputadas com boas ondas.

A única crítica mais severa é sobre o protocolo que estabelece um intervalo entre cada bateria (10 minutos nas baterias com mais de 2 atletas/ 6 minutos nas baterias mano-a-mano). Em um esporte tão dependente das condições naturais e com uma janela curta (8 dias), pensar que esse tempo perdido pode ser a diferença entre disputar a final em condições boas ou ruins é algo importante. Esse pequeno tempo pode fazer uma grande diferença no fim e o método da WSL (iniciar a bateria logo após o término da anterior) parece mais sensato.

E a juizada, hein?

Então, eles merecem um capítulo à parte. Primeiro precisamos deixar claro: Kanoa Igarashi é um surfista excelente, top 10 da elite do surf, ótimo competidor e mereceu estar na final. O japonês não merece o tratamento recebido após as semifinais e estava apenas fazendo aquilo que treinou para fazer, dar o seu melhor dentro da água. Na opinião de quem escreve esse texto, ele não deveria ter passado pelo Medina, mas não sou jurado profissional. E de certa forma, o surf é um esporte com julgamento subjetivo. 

Por isso, a crítica aos juízes vai justamente nesse ponto. Ao longo do campeonato, não foi possível determinar com claridade qual foi o critério utilizado no evento, principalmente no último dia. Os tubos (Kanoa Igarashi e Michel Bourez) receberam uma avaliação na casa dos 6 pontos, o que pareceu um tanto quanto baixo visto a dificuldade de fazer a leitura da onda no mar de Shidashita. Em compensação, se os aéreos eram as manobras do dia, as ondas do Medina na decisão de terceiro lugar não deveriam ser mais altas?

Uma forma de deixar isso mais claro é trazendo uma prioridade de elementos que serão avaliados nas ondas: inovação nas manobras, força e fluidez, tubo, etc. Os critérios servem justamente para evitar que questões subjetivas gerem discrepâncias nas avaliações das ondas durante o dia de competição e para assinalar aos atletas quais movimentos serão melhor recompesados. A diferença da maior (9,8) e da menor nota (7,5) - ambas descartadas - na onda da virada do Kanoa Igarashi na semifinal mostra um pouco desse fato, pois um 7,5 é uma onda muito boa e um 9,8 é uma onda excelente e quase perfeita.

Outro fator que chamou muito a atenção foi a demora para soltar as notas durante as baterias em todo o evento, principalmente nas disputas mano-a-mano. Não foi raro vermos os surfistas voltarem para o outside, sentarem para esperar, e surfarem outra onda sem saber a primeira nota. Isso atrapalha todo mundo, principalmente os atletas, que ficam sem referência de como está a bateria. A falta de critério claro pode ser uma razão para essa demora, dificultando a interpretação da onda pelos juízes e consequentemente, demorando mais tempo para analisar. Vale ressaltar que essa demora também pode ter sido por motivos técnicos/ tecnológicos, com uma possível demora no replay para os juízes. Não foi comum termos erros de cortes e demora para rever ondas no evento.

Além disso, um fator que chamou a atenção foi a quantidade de empates que aconteceram durante as baterias. Foram inúmeros embates que estiveram empatados em algum momento com cada surfista somando 2 notas. E uma bateria até acabou com um empate na 3ª posição entre a japonesa Mahina Maeda e a costarriquenha Leilani McGonagle na repescagem feminina. Ambas terminaram com 9,63 pontos e a vaga precisou ser definida na terceira melhor onda de cada uma.

Essa reincidência de empates é bem esquisita, visto que o surf é um esporte subjetivo e pelo fato de que cinco juízes avaliaram duas ondas da mesma maneira, o que é muito difícil. Pela experiência de quem acompanha o Tour, onde os empates são extremamente raros - mesmo que momentaneamente - fica um sentimento estranho. Assim, gera uma pulga atrás da orelha: Será que os juízes estão olhando muito para a nota que o surfista precisa, para avaliar a próxima onda? Os critérios existem justamente para isso, evitar que emoções mascarem o julgamento.  

Vale lembrar que os juízes das olímpiadas saíram de um combinada entre ISA e WSL com representantes de todo o mundo, inclusive brasileiros. Então é mais fácil crer em algum erro técnico dos juízes do que em "complô" contra algum atleta. E se levarmos em conta que foi o primeiro evento olímpico, foi tudo uma experiência nova e erros são comuns. O importante agora é trabalhar bem esse ciclo para que erros técnicos dos juízes sejam menos influentes em Paris 2024.

Mas chega disso…

O que vale é que Ítalo Ferreira é campeão! O primeiro campeão olímpico de surf é Ítalo Ferreira, brasileiro, nordestino, de Baía Formosa! O moleque que começou a surfar em prancha de isopor, surfou muito, entrou no Tour, ganhou etapa, ganhou mundial e segue escrevendo uma história que deixa todo mundo "so stoked"!

Ítalo fez isso da mesma maneira que vem fazendo no Tour há mais de 2 anos: dominando baterias, sendo agressivo nas manobras e ajustando a tática de acordo com o necessário. Se pensarmos bem, os aéreos que deram o 9,73 nas quartas e a classificação para a final não foram usados para construir o resultado na final contra Kanoa Igarashi. As duas ondas que deram segurança para o brasileiro foram notas construídas na borda da prancha e com muita agressividade e comprometimento em manobras na junção.

E podemos evidenciar inúmeros aspectos do Ítalo nessa bateria que só reforçam o quanto ele é merecedor dessa conquista. Pegou várias ondas no início da bateria e caiu nas tentativas de aéreo, mas não se abalou e seguiu firme para o plano B: arriscar nas manobras de borda para construir pontos. Sem contar que nas condições do mar, na terceira bateria do dia, ele ainda teve o gás para surfar tantas ondas em pouco tempo, e pensar em estratégia com calma é um feito absurdo.

Fora o talento do surfista, já bem conhecido pelos adversários e pelo público. Variações de manobras, comprometimento com as partes mais críticas da onda, manobras progressivas e inovadoras, etc. Outro fator a ser exalatado foi o comprometimento com o campeonato: como dito em entrevista coletiva após o título, Ítalo perdeu 5kg (de 74kg para 69kg) para entrar "mais em forma ainda" para as olímpiadas. 

Ítalo é merecedor de tudo que tem conquistado e ainda vai conquistar, certamente! A evolução como atleta é incrível ao longo da carreira, de alguém que chegou sem tanta mídia, evoluiu dentro do tour, passou a disputar eventos e, quando vimos, já era campeão mundial. Não há dúvidas de que nem os céus são o limite para o potiguar!

Esperamos que esse sucesso inspire muitas pessoas a se transformarem pelo surf, seja profissionalmente ou pessoalmente. Como surfistas, sabemos dos benefícios que as lições do mar podem gerar para toda a vida. E que esse sucesso também motive novas empresas e o governo a entender o potencial transformador do surf. O esporte nacional precisa de apoio, investimento e organização para podermos fazer com que a nossa geração da Brazilian Storm não seja algo único. Ainda há muito talento e vidas que poderiam ser transformadas sendo desperdiçados em várias praias do nosso litoral.

Além disso, precisamos falar da performance dos outros brasileiros que representaram muito bem nossa bandeira ao longo dos 4 dias de competição. Gabriel Medina, Silvana Lima e Tati West já fizeram história apenas por entrar na água e mostraram o porquê do Brasil ser o atual país do surf.

No primeiro dia, as meninas fizeram o esperado e se classificaram sem muitos problemas diretamente para as oitavas de final. Acabaram caindo no mesmo lado da chave e poderiam se enfrentar em uma possível semifinal. Mas o segundo dia foi um pouco mais cruel com as nossas atletas. Em condições difíceis, Tati teve uma forte competidora, Amuro Tsuzuki, como adversária, e deu azar em uma bateria onde ela não se encontrou no mar. A japonesa acabou avançando e no fim ficou com o bronze. Silvana Lima passou pelas oitavas de maneira tranquila, eliminando a portuguesa Teresa Bonvalot e seguiu para o próximo dia. Mas também não deu muita sorte no chaveamento e acabou enfrentando a favorita, Carissa Moore, nas quartas de final e ficou sem chances de medalha após a derrota.

De qualquer forma, elas merecem destaque e reconhecimento pela conquista, representaram muito bem o país e certamente inspiraram muita gente a treinar mais ainda para trazer o primeiro ouro feminino para o Brasil!

Também não há comentários para o surf do Gabriel Medina. O atleta mostrou porque está em um dos melhores anos da carreira, fazendo somatórios altos durante todo o evento. A segurança do Gabriel em manobras de alto grau de dificuldade em praticamente qualquer condição é absurda. Talvez Ítalo e Toledo sejam os únicos que tenham essa qualidade comparável. Infelizmente, o atleta não conseguiu trazer uma medalha. De certa forma, é isso que faz o esporte incrível: o Medina sair do Japão sem medalha é quase inexplicável para quem viu o evento. 

Esperamos que isso sirva de motivação para o surfista e o inspire a elevar ainda mais o seu nível de surf. O que ele já fez pelo surf brasileiro é digno de todas as honrarias que podemos dar e o mais importante é ele estar com a cabeça boa. Muito obrigado à todos os atletas brasileiro por participarem de um momento histórico para o surf de uma maneira tão incrível para nós brasileiros!

Outros pontos

Bom, o domínio da WSL no surf ficou claro, certo? No masculino, o último atleta de fora da elite caiu nas quartas - Lucca Mesinas foi eliminado pelo Owen Wright. Já no feminino, a vice campeã não está na elite no momento, é verdade, mas já participou de temporadas e segue na disputa por uma vaga no QS. Fora ela, todas as semifinalistas eram do tour e apenas uma atleta nas quartas nunca disputou uma temporada do CT. Se alguém ainda tinha dúvida de que a WSL concentra a nata do esporte, essa dúvida não existe mais.

Fora isso, é bom ver a Carissa surfar, né? A havaiana foi a encarregada de representar o legado de Duke, o mítico surfista de Oahu e campeão olímpico na natação que sonhava em ver o esporte da prancha nas olimpíadas. Ela foi dominante ao longo das baterias e venceu o título com muito mérito, inclusive na final, quando deixou a adversária Bianca Buitendag em combinação. Bianca é outra atleta que merece destaque, sendo uma surpresa para muitos na final por não estar na elite do surf no momento. 

Outra cena legal que merece destaque é o bronze do Owen Wright depois de quase ter se aposentado há alguns anos, depois de um acidente que resultou em uma lesão neurológica. Ele foi o responsável por representar a tradição do surf australiano no pódio e seguir uma carreira incrível, com muita superação e, principalmente, show em cima da prancha. Vale mencionar ainda que Julian Wilson anunciou que dará um tempo das competições para se dedicar à família. Fica um desejo de boa sorte e um até logo para esse grande surfista!

O Japão conseguiu 2 medalhas e mostrou sua força nesse ciclo de olimpíadas em casa, assim como foi interessante ver 4 atletas peruanos em ação. O país sulamericano, que tem inúmeras ondas incríveis e é um destino frequente de surftrip, não possui atletas na elite mas conseguiu ser bem representado nas olimpíadas, tanto no masculino quanto no feminino. 

Foi interessante podermos acompanhar surfistas do ranking de acesso competindo com os surfistas da elite, principalmente de países menos tradicionais. Contando masculino e feminino, como o Tour é dominado por três nacionalidades (Brasil, EUA e Austrália), acabou que várias vagas ficaram com surfistas de países que não possuem representante na elite da WSL. O Peru, por exemplo, levou 4 atletas (o máximo) para o Japão. Foi legal vermos uma atleta de fora do Tour avançar até a final feminina, eliminando candidatas a titulo. No masculino, a única eliminação de um atleta do CT para alguém de fora foi o Leo Fioravanti (ITA) para o peruano Lucca Mesinas.

Ficarão as lembranças - principalmente as boas - desses 3 dias de evento! Foi uma estreia digna desse esporte incrível. Mostrou também que o movimento de rejuvenescimento das olimpíadas é fundamental. Aliado ao skate, o surf já mostrou que tem audiência e pode ser um dos esportes com mais repercussão durante o evento olímpico. Ainda há a expectativa pela escalada, outro esporte a estrear nesses jogos de Tóquio.

E também ficam algumas críticas, certo? Pequenos ajustes no formato e uma maior transparência com o público (não custava nada colocar as 2 ondas válidas e o somatório final do atleta no placar da transmissão, né?) são os dois mais evidentes. Sobre os juízes, talvez nos tenha faltado estarmos habituados com competições ISA e seus critérios, e talvez os juízes tenham sentido pressão por estar nas olimpíadas. Mas como público primário do surf, também sentimos que faltou claridade nos critérios utilizados para julgar os melhores atletas do mundo (dos 6 medalhistas, 5 são do CT; dos 8 semifinalistas, 7 são do CT).

Enfim, esse título é especial para o brasileiro (e para o Ítalo, obvio) porque marcamos nosso nome na história de uma maneira nunca feita. Só existem 2 campeões olímpicos de surf, um deles é nosso. Além de estarmos dominando o circuito masculino nos últimos anos, o único atleta que atrapalhou nosso domínio vive com seguidas lesões. O cenário do surf brasileiro está em um nível inimaginável do que estava há 10 anos atrás, nós estamos liderando a revolução do esporte! O país mais dominante em um dos momentos mais transformadores da história do esporte é o Brasil. E ainda podemos melhorar muito! 

Temos uma nova geração no feminino que, com mais visibilidade e incentivo, tem tudo para melhorar a performance e os resultados como um todo no país. As olimpíadas devem ser percebidas de alguma forma como um marco na barreira do preconceito sobre o "esporte de vagabundo" e esperamos que mais apoio venha para desenvolver o potencial, já comprovado, do brasileiro em cima da prancha.

Agora fica a pergunta:

Como viver sem olimpíadas?

Comentários

Galerias | Mais Galerias