#organização #tubarões #política 
Reunião

Governo francês patrocinará a caça aos tubarões

Kristin Konig - AP

Após um aumento dramático nos ataques mortais nas ilhas Reunião, Paris tomou medidas sem precedentes. Isso provocou protestos de grupos de direitos dos animais, que chamam isso de um 'extermínio' legalizado.

Pescadores irão caçar uma espécie de tubarão vulnerável ​​ao largo da ilha Reunião do Oceano Índico, e irão receber dinheiro do governo para essa caça. Os incentivos financeiros entrarão em vigor na próxima semana.

Os tubarões que serão alvo são os tubarões cabeça chata, uma espécie grande e agressiva comum no Oceano Índico que se acredita estar por trás de vários ataques recentes a pessoas. A União Internacional para Conservação da Natureza designa o tubarão cabeça chata como "quase ameaçada", o que significa que pode enfrentar a ameaça de extinção em um futuro próximo.

De 2000 a 2010, não houve ataques de tubarão nas ilhas Reunião e não houve apelo para o abate, mas nos últimos dois anos temos visto vários ataques mortais, o mais recente na semana passada, quando um surfista de 22 anos morreu depois de um tubarão mordeu a sua perna. Foi o sétimo ataque - e a terceira fatalidade - desde o início do ano passado.

Os ataques deixaram com medo muitos moradores, que agora preferem ficar em terra firme. "Há duas semanas atrás, eu deixei o meu filho ir nadar", disse Philippe Nanpon, de 49 anos, que falou por telefone na quarta-feira de Saint-Paul, um distrito que presenciou algumas mortes. "Mas agora eu não vou deixá-lo entrar, até que termine, não é seguro."

Ainda não está claro quanto um pescador pode ganhar por matar tubarões, e o governo de Paris diz que vai dar margem para as autoridades locais e para os pescadores na fixação dos preços. Embora a pesca de tubarão seja legal na maioria das áreas a oeste da ilha, os tubarões cabeça chata tipicamente não têm sido caçados porque a sua carne contém uma toxina e não pode ser comida.

Thierry Robert, um legislador e prefeito de Saint-Leu, um distrito da zona costeiras onde um número alarmante de tubarões cabeça chata foram vistos nos últimos meses, inicialmente ofereceu pagar pescadores $ 2,46 euros por quilograma de tubarão morto. Mas um porta-voz do Ministério francês das Ilhas Oceânicas, Olivier Nicolas, disse que essa soma era muito pequena.

"Não é o suficiente como um incentivo para a captura, por isso o Estado vai contribuir e remunerar os pescadores", disse Nicolas.

Alguns pesquisadores afirmam que a iniciativa francesa não vai funcionar como o planejado. Christopher Neff, um pesquisador de ataques de tubarão da Universidade de Sydney, disse que as estatísticas e uma ineficaz década de abates no Havaí provaram que a "caça ao tubarão simplesmente não funciona para reduzir o número de ataques."

Neff afirma que tem havido um aumento dos ataques de tubarões em todo o Oceano Índico, nos últimos anos, incluindo na África do Sul, as Seychelles e na costa australiana.

Em resposta à proposta do governo, a ex-atriz Brigitte Bardot, que é uma ativista dos direitos animais, escreveu uma carta de protesto ao primeiro-ministro francês Jean-Marc Ayrault na quarta-feira chamando a decisão de "cega".

"O governo é a favor de um extermínio, puro e simples", disse Christophe Marie, porta-voz da Fundação Brigitte Bardot. "O mar pertence primeiro à vida marinha. Não podemos condenar à morte os tubarões só para agradar a surfistas. É ridículo."

Os grupos ambientais defendem medidas que limitam a eliminação de resíduos em zonas costeiras, uma prática que se acredita atrair os tubarões para o litoral para se alimentar.

Links Relacionados:

reportagem original

Comentários

Galerias | Mais Galerias