#prêmio #tow-in #fotografia 
Jaguaruna - Santa Catarina - Brasil

Laje da Jagua - O Hawaii é Aqui

Thiago Jacaré

Na quinta-feira Fabiano Tissot havia me ligado alertando sobre a entrada do maior swell do ano para último sábado (7). Na mesma hora pensamos em direcionar todo o foco para a remada, tentando assim buscar um bom registro para o prêmio Greenish Brasil 2013

Não deu outra e começou toda aquela correria para agilizar os surfistas e os equipamentos em apenas um dia. Fui logo na Nob, fábrica de coletes em Floripa, e peguei os coletes de remada que recém haviam ficado prontos. Na sexta-feira, com a chegada do Tissot e do surfista André Paulista em Jaguaruna, fomos para o Farol de Santa Marta encarar um fim de tarde na praia do Cardoso. Chegando lá, encontramos o local do pico, João Baiuka, que já estava a nossa espera.

 O mar estava grande, ondas de até 3 metros com séries maiores entravam no pico com uma corrente que eu nunca havia visto na vida. Caímos nós quatro na água e ficamos remando por quase 1 hora para escapar da forte corrente que nos arrastava para cima das pedras. Pegamos algumas ondas, testamos os coletes e colocamos as pranchas nos pés. Foi bom pra sentir oque já estava por vir para o dia seguinte.

No Sábado pela manhã, acordamos bem cedo, olhamos o mar e já vimos que o bicho iria pegar. João Capilé, que estava no Peru quando soube do swell, voltou correndo para o Brasil. Marcos Moraes, Arno Phelipe e Willian Oliveira vieram de Garopaba e reforçaram a barca. 

Quem apareceu para conhecer as ondas da Laje foi o ator Maria Frias, que também é apaixonado pelo surf. Mario chegou na base da Atow-Inj logo cedo com os amigos Gabriel Galdino e Julio Rossi, com o intuito de conhecer de perto as pesadas ondas do pico. Antes de sairmos, nos reunimos e planejamos toda a trip. O objetivo era pegar as Guns e garantir um bom registro das bombas na remada. Levamos para off shore 4 pranchas todas 10,3: Pacelli, Steve Tyau, Jorge Vicente e uma do Butiá, Shaper local da Jagua. Quando chegamos na Laje, vimos uma série gigantesca varrendo toda a bancada. Ondas acima de 4 metros quebravam perfeitas, dando um verdadeiro feeling de hawaii. 

Surfamos durante quatro horas no pico, começando a session na remada. Montamos todo um esquema para garantir a segurança da galera na zona mortal da onda. Paulista e Capilé ficaram no resgate dando apoio, e eu fiquei no jet com o fotógrafo Lucas Barnis, que registrava todas as ondas em fotos e vídeos. As melhores ondas foram filmadas, mas Barnis consegui garantir algumas fotos para poder ilustrar essa matéria. Sendo direto e objetivo, posso dizer que tirei o chapéu para Marcos Moraes e Fabiano Tissot. Os caras mostraram muita coragem e encararam a Laje no braço de uma forma bastante agressiva. Desceram as maiores ondas e tomaram caldos sinistros, horando o nome da Atow-Inj. 

Com toda a certeza, mais uma vez vamos incomodar forte no prêmio Greenish deste ano, pois conseguimos obter bons registros. Um tempo depois abortamos a remada e fomos todos para o Tow-in. Capilé, Arno e Willian deram um show a parte, vindo quase sempre nas morras por trás do pico. Gabriel, que sempre teve o sonho de conhecer a laje, pegou boas ondas e sentiu de perto o mostro que mora perto de sua casa. Já o ator Mario Frias, teve uma das experiências mais loucas de sua vida. O cara não se intimidou e botou pra baixo também.

“Não sabia que o Brasil tinha ondas desse nível, quando cheguei no pico não acreditei, parecia um sonho, presencie as maiores ondas da minha vida. Jaguaruna é espetacular, um lugar inacreditável.” finalizou Mario Frias.

Os últimos a surfar fomos eu e o Paulista. Fizemos uma dupla no Tow e descemos algumas bombas. No final do banho, erguemos os braços e agradecemos por Deus nos abençoar com esse belo presente de Natal, valeu e até a próxima !!!

Agradecimentos pelo suporte da trip: Rise Up, Art in surf e Star Lite. 

Comentários

Galerias | Mais Galerias