#poluição #saúde 
Mundo

Porquê a Poluição Oceânica Prejudica Mais os Surfistas

Chad Nelsen

Qualquer surfista que se inclinou para pegar alguma coisa, poucas horas depois de surfar, poderá sofrer o constrangimento de ter seu nariz escorrendo é uma ilustração de quanto os surfistas estão expostos ao praticar seu esporte.

Aqui está uma lista de cinco razões pelas quais os surfistas são mais propensos a ficar doentes a devido à água do mar poluída do que outros frequentadores da praia:

1. Surfistas vão à praia e entram na água mais do que outros frequentadores da praia:

De acordo com um estudo de 2001 dos padrões de participação de recreação marinha, frequentadores da praia fazem em média 14 visitas por ano à praia, do mesmo estudo surfistas de fazem em média 23 visitas por ano (Leeworthy e Wiley, 2001).

Outros estudos no Oregon, Califórnia, e uma pesquisa nacional sugerem que a avidez dos surfistas é muito maior. No Oregon, a avidez média foi de 77 visitas/ano (Stone et al. 2.008). Em Trestles, encontramos uma avidez média de 109 visitas/ano (Nelsen et al., 2007). Um estudo em andamento da Surf-First encontrou uma avidez nacional média de 108 visitas (não publicado).

2. Surfistas frequentam a praia o ano todo:

Estudos e o conhecimento comum indicam que a ida até a praia é altamente sazonal. A maioria das visitas ocorrem durante os meses de verão. Muitas vezes, mais da metade do total de visitas ocorrem durante os 3 meses de verão. Em contraste, os surfistas costumam visitar as praias e entrar na água durante o ano todo. Em alguns lugares, os surfistas são os visitantes de praia predominantes durante os meses de inverno. Isto é importante porque nas latitudes mais altas, os invernos tendem a ser mais chuvoso do que os meses de verão, o que aumenta a exposição ao escoamento de águas pluviais.

3. Cada visita à praia para surfar resulta em total imersão no oceano:

De acordo com Dwight et al. (2007), menos da metade dos frequentadores da praia do sul da Califórnia são expostos a águas oceânicas. E aqueles que são, muitos não são totalmente imersos na água. Surfistas, por outro lado, são totalmente imersos enquanto surfam. Isto aumenta a sua exposição a agentes patogênicos se a água estiver poluída.

4. Surfistas provavelmente passam mais tempo na água em cada visita:

Surfistas tendem a surfar entre 1,5 e 2 horas durante cada visita. Embora eu não tenho conhecimento de todos os dados, o meu palpite é que isso é mais do que a maioria dos frequentadores da praia passam na água, com exceção de algumas crianças que parecem passar o dia inteiro na água (especialmente em lugares onde a água é quente).

5. Como resultado do acima expostos, os surfistas ingerem 10 vezes mais água que os nadadores ou mergulhadores:

Como foi resumido aqui , os surfistas tendem a ingerir 10 vezes mais água do que os nadadores ou mergulhadores. A exposição a agentes patogênicos na água é muito maior do que outros grupos. A imersão repetida, total, e às vezes violenta no oceano que o surfista experimenta, aumenta a ingestão de água e a entrada dela nos seios paranasais (isso que causa o gotejamento do nariz depois).

Conclusão:

A combinação de mais dias de exposição, durante alguns dos momentos em que as águas estão mais poluídas, e a imersão mais completa e a maior ingestão causa a exposição total de surfistas a patógenos e, portanto, as chances de ficar doente. Então, da próxima vez que o seu nariz começar a escorrer, pense sobre a qualidade da água do mar que passou pela sua cabeça nas últimas horas - espero que ela esteja limpa!

Leia a postagem original no Blog Surf Economics . Os documentos referenciados abaixo fornecem uma análise mais aprofundada sobre estas questões.

Referências:

Dwight, R. H., D. B. Backer, et al. (2004). “Health Effects Associated With Recreational Coastal Water Use: Urban Versus Rural California.” American Journal of Public Health 94(4): 565-567.

Dwight, R. H., M. V. Brinks, et al. (2007). “Beach attendance and bathing rates for Southern California beaches.” Ocean & Coastal Management 50: 847-858.

Leeworthy, V. R. and P. C. Wiley (2001). Current Participation Patterns in Marine Recreation, U.S. Department of Commerce, National Oceanic and Atmospheric Administration, National Ocean Service, Special Projects. National Survey on Recreation and the Environment 2000: 53.

Nelsen, C., L. Pendleton, et al. (2007). “A Socioeconomic Study of Surfers at Trestles Beach.” Shore & Beach 75(4): 32-37.

Stone, D. L., A. K. Harding, et al. (2008). “Exposure Assessment and Risk of Gastrointestinal Illness Among Surfers.” Journal of Toxicology and Environmental Health, Part A 17(24): 1603-1615.

Links Relacionados:

Os Perigos das Águas Contaminadas

Comentários

Galerias | Mais Galerias