#poluição #pranchas #equipamentos #ecologia #inovação 
São Paulo - Brasil

Prancha ecológica brasileira ganha o mundo

Redação EcoDesign

Os surfistas que se preocupam com o meio ambiente já tem um opção mais sustentável na hora de cair no mar.

Trata-se da e-board, uma prancha feita com uma resina ecológica a base de água e outros materiais menos agressivos ao meio ambiente.

A empresa ainda reverte parte do dinheiro arrecadado para projetos de preservação ambiental e neutraliza todas as emissões de carbono geradas durante o processo de fabricação e logística do produto.

A prancha foi desenvolvida pelo engenheiro de materiais, Daniel Aranha, de apenas 24 anos. Surfista desde pequeno e sensibilizado com a enorme poluição causada pelas fábricas de prancha, Aranha resolveu criar uma resina menos nociva que a tradicional – feita a partir do petróleo.

Após uma série de estudos, testes e protótipos feitos com o auxílio de profissionais em diversas áreas da engenharia, principalmente na área de produto e desenvolvimento, surgiu a resina ecológica feita a base de água.

Graças à tecnologia, os materiais utilizados na fabricação da e-board não dependem mais da extração de petróleo ou qualquer outra matéria-prima de origem mineral. A resina não tem aquele cheiro característico e o restante do material ou é orgânico ou reciclado.

Além de menos agressiva ao meio ambiente, a resina ecológica é mais resistente e flexível e não amarela tão rapidamente quanto as comuns.

Já o bloco é feito de poliestireno expandido que utiliza água para sua expansão e não solvente. Apenas 2% de sua massa são compostos de poliestireno, os 98% restantes são ar. O resultado é um processo de expansão livre de resíduos e massa 100% reciclável.

A longarina é feita em caixeta ou bambu, ambas com certificado de reflorestamento ambiental FSC e a tinta utilizada na pintura é feita com pigmentação e coloração naturais e orgânicas.

Da Vila Madalena para o mundo

Criada no centro de São Paulo, no bairro Vila Madalena, a e-board já conquistou clientelas em diversas praias e hoje exporta suas pranchas para países como África do Sul, Austrália e Estados Unidos.

A marca Osklen também já vende o produto em suas lojas no Rio de Janeiro, São Paulo, Florianópolis e Recife. As pranchas estão disponíveis em seis modelos e custam em média R$1.600,00.

Links Relacionados:

reportagem original

Comentários

Galerias | Mais Galerias