#terremoto #fenômenos naturais #tsunami #ondas grandes 
Indonésia

Próximo grande terremoto na Indonésia esperado nas Mentawais

Notícias ambientais da Reuters

Um terremoto submarino maciço há muito é esperado sob as ilhas Mentawai, na Indonésia, e poderá provocar um outro tsunami mortal, dizem os cientistas que mapeiam as zonas mais propensas a terremotos do mundo

Ao contrário do tsunami no Oceano Índico em 2004, que matou cerca de 226 mil pessoas, este tsunami é esperado ser de menor intensidade, mas pode ser muito mortal, uma vez que atingirá a costa de Sumatra densamente povoada. "O tamanho do tsunami pode não ser tão grande, mas o tamanho da população é aproximadamente três vezes tão grande como a de Aceh", afirmou Kerry Sieh, diretor do Observatório da Terra de Cingapura.

Um terremoto de cerca de 8,6 de magnitude é esperado sob a ilha de Siberut, ao longo da megafalha de Sunda, onde a placa tectônica Indo-Australiana se contra a placa tectônica da Eurásia. Exatamente quando o grande terremoto acontecerá não se sabe, mas provavelmente nas próximas décadas. "De trinta segundos até 30 anos, em algum lugar lá", disse Sieh, que estudou os registros geológicos que mostram que nos últimos 700 anos, grandes terremotos ocorrem ao longo da megafalha de Sunda a cada 200 anos.

Houve três ciclos de terremoto: final dos anos 1300s, 1600s, e entre 1797 e 1833. "O sincronismo entre esses três grupos é de cerca de dois séculos", disse Sieh, acrescentando que uma seção da megafalha sob Siberut não rompeu durante 200 anos, por isso se espera que ela deslize e cause um grande terremoto.

CICLOS DE SUPERTERREMOTOS

A megafalha de Sunda se estende de Myanmar, no norte faz um arco para sudeste através de Sumatra, Java e vai até Timor. A seção de 1.600 quilômetros do norte da falha, de Myanmar para Aceh, rompeu em 2004, enviando o Tsunami mortal em direção ao Oceano Índico.

"O terremoto reiniciou o ciclo (de super terremotos) para esse segmento da falha", disse Mike Sandiford da Faculdade de Ciências da Terra da Universidade de Melbourne. "A falha caiu até 20 metros, que foi causada por várias centenas de anos de convergência de placas. Devemos esperar várias centenas de anos, se não mais, para acumular novo estresse no sistema de ruptura naquela vertente em particular."

A megafalha de Sunda é composta de três partes distintas. Em março de 2005, um forte terremoto atingiu a segunda seção perto da ilha de Nias, causando mais de 11 metros de deformações abaixo da ilha. Em 2007, um terremoto de 8,4 e de 7,8 atingiu o extremo sul da terceira seção, o "Trecho das Mentawais", mas não a parte norte do "Trecho das Mentawais." Agora temos um outro trecho de 300 km que ainda não rompeu. Ele não rompe desde 1797", disse Sieh.

O terramoto de 2009 de Padang em 30 de setembro, embora grande, não aliviou nenhuma pressão sob as Mentawais, pois não resultou de uma ruptura da megafalha, mas estava em uma falha profunda. "Pode ter potencialmente carregado esse segmento que não tenha rompido por muito tempo. Ele pode ter nos levado mais perto do grande rompimento", disse Sandiford.

"Porque isso ( a pressão ) não foi liberada na região de Padang, sabemos que o estresse tem se acumulado, e deve finalmente ser aliviado. O tipo de estresse que levou à grande ruptura na extremidade do norte de Sumatra no grande tsunami de 2004. "

CENÁRIOS DE TERREMOTOS

Uma das razões da megafalha de Sunda gerar grandes terremotos é porque ela tem planos de falhas muito longos, que podem deslizar como um todo. Mas devido a ele se curvar a medida que ela se estende para o sul através da Indonésia, os cientistas acreditam que grandes terremotos são limitados a cada seção da megafalha.

Sandiford diz que uns 30 km de falha poderiam gerar um terremoto de magnitude 7 no máximo, 300 km de uma falha um terremoto de magnitude 8 no máximo, e de 1.000 km de falha um terremoto de no máximo 9. O terramoto de 2004 foi sobre uma falha de 1.600 km de comprimento. "O terremoto do Boxing Day foi enorme. Nós só tivemos três ou quatro desses terremotos nos últimos 100 anos ou mais", disse ele.

Cingapura aponta para Sieh dois cenários para o próximo grande terremoto. O primeiro é um sismo 8,6 na parte norte do "Trecho das Mentawais". "Existe apenas um pedaço de dados que nos diz que o última alívio foi em 1797. Se estivermos errados, pode ser que o último evento tenha sido em 1680. Se for esse o caso, poderíamos ter uma elevação significativamente maior e significativamente maior do tsunami, disse ele.

Estudos recentes sugerem a Sieh um segundo cenário, onde um outro grande terremoto poderia ocorrer ao longo da mesma seção da megafalha que causou o Tsunami de 2004. Enquanto a média desta seção rompeu até 25 metros em 2004, a parte inferior apenas deslizou 10 metros, deixando centenas de anos de esforço ainda para serem lançados.

"Estamos pensando se não poderia ser outro grande terremoto no extremo sul da seção de 2004, o que poderia quebrar em algum momento nas próximas décadas, bem como," Sieh disse. A linha de falha das Mentawais corre sob o mar e qualquer terremoto é esperado no solo do oceano provocando um tsunami.

Em 2004, o terremoto propagou um tsunami no Oceano Índico até a Índia e a África. Um tsunami gerado por um terremoto nas Mentawais mandaria uma onda de sudoeste no vazio do Oceano Índico. Mas a onda também atingiria a costa de Sumatra densamente povoada entre Padang e Bengkulu, embora a cadeia de ilhas Mentawais ajudaria a dissipar a energia das ondas, antes de atingir terra.

Os cientistas dizem que há poucos dados que ligam um terremoto com super vulcões da Indonésia, como o lago Toba de Sumatra, dizendo que um vulcão deve estar pronto para irromper em primeiro lugar. Toba irrompeu em torno de 74 mil anos atrás, em que se acredita ser a maior erupção vulcânica dos últimos 2000 anos.

Alguns cientistas sugerem que a mega erupção pode ter acelerado a mudança no clima glacial, por lançar 2,8 mil km cúbicos de detritos para a atmosfera, deixando cair drasticamente a temperatura da superfície da Terra e provocando uma idade do gelo.

Links Relacionados:

Notícias ambientais da Reuters

Comentários

Galerias | Mais Galerias