#publicações #comportamento #local 
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil

Um Artigo Excluído e a Deturpação Nociva dos Surfistas Brasileiros

Tetsuhiko Endo - theInertia

A questão não é o que os brasileiros dizem ou não dizem, é que, em vez de ser uma reação individual, é fortemente implícito que este é "o comportamento de brasileiro".

Se você se conectou ao Surfline para ler a cobertura do último dia do Billabong Pro , você pode ter ficado surpreso ao encontrar um estranho artigo sobre o comportamento dos surfistas brasileiros. O artigo , escrito por Matt Pruett, se mostrou tão incendiário que foi retirado do ar na mesma noite, após os fóruns de discussão se acenderem em condenações. Nas legendas, há uma nota:

Nota do Editor: Após deliberação interna e avaliação do feedback do leitor, decidimos que a melhor maneira de contar a história da vitória de Jordy no Rio é com fotos e legendas....

Claramente, algo deu errado. Deixe-me explicar:

Qual foi talvez o mais impressionante sobre o artigo foi a maneira como ele tentou mascarar o preconceito por jogar bom policial/mau policial. Primeiro, ele reconhece que o estereótipo é errado, e então começa a fazer o mesmo estereótipo cansado. Isto não é "conversa real", destinada a investigar as verdades duras ou debate aberto. Essas coisas exigiriam um conhecimento da cultura e da história brasileira, assim como a maneira com que os estereótipos funcionam. Dito isto, não chega a qualificar como "racismo", porque "brasileiro" não é uma raça. Era, ao contrário, a retórica impensada e discriminatória do imperialismo cultural que (intencionalmente ou não) serve para demonizar um suposto tipo de pessoas, enquanto sutilmente defende outro tipo.

Eu não vou desperdiçar seu tempo detalhando cada falsa acusação que Pruett fez, mas eu gostaria de destacar a que está se destacando. No artigo, ele pergunta retoricamente: "Então, por que os brasileiros têm tanta dificuldade em enterrar os estereótipos?" Pruett passa a responder à sua própria pergunta, descrevendo a forma como alguns surfaram e se comportaram no último dia do Rio Pro.

Existem dois níveis de raciocínio falso neste argumento. A primeira é que a responsabilidade recai sobre os brasileiros de alguma forma provar aos outros - presumivelmente Pruett e os outros literatos de surf nos Estados Unidos e na Austrália - que eles não são como eles têm sido estereotipados. A segunda é que é possível para um indivíduo fazer isso. A definição de um estereótipo é que ele é uma generalização grosseira com base em uma falsa correlação entre o comportamento e a biologia. Um indivíduo não pode contestar uma generalização (que é feito sobre um coletivo) nem pode provar ou refutar algo que é, para começar, feito com base em falácias. Pruett realmente demonstrou isso inadvertidamente quando escreveu que Adriano de Souza foi o "surfista mais composto e humilde na praia." Então, por que o seu comportamento não desmente o estereótipo?

Porque, para aqueles convictos em suas crenças, os casos sempre irão existir que justificarão a sua visão mundial. Filipe Toledo e Gabriel Medina, por exemplo, não surfaram e se comportaram com os níveis exigidos de contenção protestante e subserviência que Pruett espera de alguém que não seja de Orange County, Sydney, ou vários locais da costa leste. Preconceito, você vê, é como acreditar em Pé Grande. Não importa o quanto existem provas de que o macaco não existe, os verdadeiros crentes sempre irão encontrar uma "prova" para apoiar as suas ilusões, porque eles querem encontrá-lo. Cientistas que conduzem experimentos, a fim de obter um conjunto de resultados desejados são chamados charlatões.

A parte realmente ruim de tudo isso é o duplo padrão aparentemente inconsciente utilizado para descrever os brasileiros. Quando Medina aborrece em uma bateria com a intensidade como a de Slater, ele é rotulado como super-ansioso e desrespeitoso. Quando Felipe Toledo exibe paixão que faz lembrar a de Andy Irons na água, ele é considerado banal e pomposo. A questão não é que os brasileiros dizem ou não dizem, é que, em vez de ser uma reação individual, fica fortemente implícito de que este é "o comportamento brasileiro." Se você assistir a qualquer uma das baterias do Rio de Janeiro, você veria que essa afirmação é categoricamente falsa.

Estou tão cansado de ter a mesma velha conversa sobre os brasileiros e por que eles supostamente agem de determinadas maneiras. Minha teoria é que isso é menos sobre o comportamento real de muitos brasileiros e muito mais sobre o medo, frustração e desilusão dos criadores de conteúdo de surf que estão testemunhando o esporte que amam convulsionando sob a pressão de sua própria explosão demográfica.

Isso pode levar você a se perguntar por que eu estou escrevendo um desmonte detalhado de um artigo sobre o comportamento brasileiro que não existe mais. A razão é porque, com ou sem o artigo de Pruett, que fica em um web site, ou é relegado a um antigo arquivo em seu computador, as idéias contidas nele há muito que infectaram o mundo do surf. O fato de que o artigo de Pruett ainda vir à luz do dia atesta isso. Não podemos esquecer que essas idéias flutuam entre nós. Nós não podemos erradicá-las apenas as reconhecendo pela metade. Temos que nos levantar como uma sociedade, como muitos já o fizeram em fóruns do Surfline, e deixar claro que não vamos tolerar isso.

Eu não tenho nenhuma ligação particular com os brasileiros, além da sensação de que todas as pessoas de pele escura e traços "étnicos" acentuados sentem quando participam de uma cultura dominada por aqueles de pele mais clara e etnia "anglo-saxônica". É a suspeita enjoado que sob cada olho fétido, cada rabeada, cada advertência, esconde-se o pressuposto de que, com base em minhas características biológicas inatas, eu não pertenço a este lugar. Cada vez que um brasileiro é criticado por alguma violação arbitrária de regras de conduta veneráveis ​​como sendo muito expansivo, ou competindo muito radicalmente, eu ouço uma única frase: "Você está praticando o nosso esporte, e você vai praticá-lo sob as nossas regras."

Se Pruett e a Surfline realmente acreditam nisso, e se tiverem retirado o artigo de Pruett para se safarem, enquanto eles ainda realmente apoiam as suas ideias subjacentes, então essa conversa acabou. Ninguém nunca mais vai mencionar brasileiros na Surfline novamente, e a cultura irá manter sua atual cepa do fanatismo surda. Mas se eles não o fizerem, e eu gostaria de acreditar que não o fizerem, então eles têm a oportunidade de iniciar um diálogo real. Talvez com um pedido de desculpas. Todos podem dar passo em falso, mas já faz muito tempo que as pessoas que comandam esta cultura se levantam e denunciam a intolerância.

Imagens deste artigo podem ser vistas acima.

Links Relacionados:

Reportagem original de Tetsuhiko Endo

Comentários

Galerias | Mais Galerias